• [STJ] - É nula a execução fiscal contra empresa sucedida

    [STJ] - É nula a execução fiscal contra empresa sucedida: isso mesmo, no que se refere a sucessão empresarial e tributária, nos casos de incorporação, fusão, dentre outras operações, as execuções fiscais ajuizadas contra a empresa sucedida não podem prosseguir contra a empresa sucessora tributária, isso, quando a execução for ajuizada após a sucessão empresarial.

    Todos já sabemos, que a falta da indicação correta do devedor na constituição do crédito tributário atinge o título executivo, retirando-lhe a liquidez e exigibilidade que lhes são inerentes, conforme contante nos arts. 202 e 203 do CTN.

    Isso ocorre, devido a substituição do sujeito passivo no título executivo constituído (CDA) ocorrendo um novo lançamento sem que se dê oportunidade ao novo devedor de se defender administrativamente, ou até mesmo, de pagar o débito antes do ajuizamento do processo de execução fiscal.

    Permitir a substituição da parte passiva na CDA, é o mesmo que admitir a modificação do pedido constante na petição inicial, o que pode acarretar em cerceamento de defesa por parte do suposto devedor.

    Neste entendimento o STJ criou a Súmula 392, que tem o seguinte conteúdo:
    A Fazenda Pública pode substituir a certidão de dívida ativa (CDA) até a prolação da sentença de embargos, quando se tratar de correção de erro material ou formal, vedada a modificação do sujeito passivo da execução.
    Com base nestes fundamentos, recentemente o STJ extinguiu um processo de execução fiscal, segue decisão:
    PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. NULIDADE DA CDA. SUCESSÃO EMPRESARIAL POR INCORPORAÇÃO. EXECUÇÃO FISCAL PROPOSTA CONTRA A EMPRESA SUCEDIDA, APÓS SUA EXTINÇÃO. CORREÇÃO. IMPOSSIBILIDADE. SÚMULA 392. 1. “O entendimento firmado na jurisprudência do STJ é no sentido da impossibilidade de alteração do polo passivo da imputação tributária, após o início da execução fiscal, mediante emenda ou substituição da CDA, mesmo no caso de sucessão tributária” (REsp 1.690.407/SP, Rel. Ministro Herman Benjamin, segunda turma, DJe 19/12/2017) 2. Reconhecida a existência de sucessão empresarial e tributária, não se poderia dar prosseguimento ao executivo fiscal ajuizado em oposição à sucessora tributária, haja vista a impossibilidade de emenda ou substituição da CDA, consoante a Súmula 392: “A Fazenda Pública pode substituir a certidão de dívida ativa (CDA) até a prolação da sentença de embargos, quando se tratar de correção de erro material ou formal, vedada a modificação do sujeito passivo da execução.” 3. Não se concebe a substituição do sujeito passivo no título executivo constituído, pois tal alteração corresponderia a um novo lançamento tributário, sem que fosse conferida ao novo devedor a oportunidade de exercer sua impugnação na via administrativa, ou mesmo do pagamento do débito antes do ajuizamento da ação de cobrança. 4. Recurso especial a que se dá provimento. (REsp 1689791/SP, Rel. Ministro OG FERNANDES, SEGUNDA TURMA, julgado em 03/04/2018, DJe 09/04/2018)
    Fonte: Advogados - Advluz.com | acesso em 30/07/2018 as 16:00
    <https://www.advluz.com/2018/08/stj-e-nula-execucao-fiscal-contra-empresa-sucedida.html>
  • 0 comentários:

    Postar um comentário

    GET A FREE QUOTE NOW

    Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat.

    ADDRESS

    4759, NY 10011 Abia Martin Drive, Huston

    EMAIL

    contact-support@mail.com
    another@mail.com

    TELEPHONE

    +201 478 9800
    +501 478 9800

    MOBILE

    0177 7536213 44,
    017 775362 13